Projeto da Salvação da Humanidade

 

Por norma nos projetos de grande envergadura sempre são preparados ou desenvolvidos por mais de que um arquiteto. Envolve arquitetos, engenheiros e ainda laboratórios específicos para analisar todos os materiais e aplicação dos mesmos.

Deixem-me recordar a construção da Ponte 25 de Abril no fim dos anos 50 princípio dos anos 60, então Ponte Salazar. Quão rigoroso foi aquele projeto vieram engenheiros e arquitetos americanos e em sintonia com o laboratório de engenharia civil de Lisboa projetaram e realizaram aquela obra que nunca tinha sido feita em Portugal, uma ponte com aquelas dimensões. Falo desta obra porque naquela época era jovem adolescente, e nós lá em casa seguimos de perto porque o meu irmão mais velho teve o privilégio de trabalhar com toda aquela engenharia.

Quando dou por mim, estou a pensar em três arquitetos muito especiais. Eles projetaram o plano da salvação para todo o mundo, como nos relata o Evangelho de Mateus capitulo 1, versículos 18 a 25 e Efésios, capítulo 1, versículos 3 a 14. E digo três arquitetos porque Deus Pai, e Deus Filho e Deus Espírito Santo — os três que formam um só Deus, desde a eternidade. A Deus toda a glória.

O primeiro grande projeto do Deus Tri-uno foi a criação de tudo aquilo que existe (ou seja, a terra e o céu).

O segundo grande projeto destes arquitetos foi a criação do homem e da mulher e o Jardim do Éden. Foi nesse local que Deus os colocou, para viverem num paraíso, em contínua comunhão com o Criador. No entanto, logo mais se deixaram enganar pela serpente. Foram tentados a desobedecer a Deus e caíram. Comeram da árvore proibida, os seus olhos foram abertos e ficaram a ter a noção, como Deus, o bem e o mal (Génesis 3: 4 a 5). Ficaram também separados da comunhão com Deus, pelas suas opções.

Passados 600 anos, a corrupção era tanta que Deus já se tinha arrependido de ter criado o homem e a mulher (Génesis 5: 5 a 7). No entanto, este Deus arquitetou um plano de salvação para o homem. Porquê? Porque Noé e sua família não se tinha corrompido. Acharam graça aos olhos do Senhor e eram reverentes a Deus, obedecendo-Lhe (Génesis 5:8). Deus falou com Noé anunciando-lhe o diluvio, que viria sobre a terra. Deu-lhe o projecto da arca para ele se salvar a sua família, e a todos os animais viventes. E isto para quê? Para após o diluvio a Terra ficar limpa de todo o pecado. Noé e a família podiam iniciar uma nova era, onde não houvesse pecado.

Este Deus maravilhoso — Pai, Filho e Espírito Santo —  planeou aquele projeto para salvar a Humanidade, mas logo o povo se corrompeu, voltou a pecar e a desobedecer-Lhe, desviando-se dos Seus caminhos. Deus chamou Abraão para ele ser o pai de uma grande nação que serviria a Deus e que habitaria num determinado território escolhido por Ele. Entretanto, Sodoma e Gomorra eram o centro do pecado, de todas as injustiças, e aqui mais uma vez estes grandes arquitetos tentaram salvar os justos (Lot) fazer justiça aos que não querem nada com Ele. Deus é infinito em amor e também em justiça. Mas logo mais o povo se corrompeu.

Os anos avançaram e os descendentes de Abraão, que foram para o Egito, começaram a ser escravizados pelo rei Faraó, o rei do Egipto naquela época. Mais uma vez, estes arquitetos divinos levantaram alguém, Moisés, para salvar o Seu povo da opressão do Egito e do rei Faraó. Assim o povo, pela mão de Moisés e com a direção de Deus, chegou à fronteira com a terra prometida por Deus, onde entrou Josué que, em parte, a conquistou. Mas, mesmo ali numa terra que produzia lei e mel e todos os bens necessários, foi ali que o povo que Deus tinha escolhido se desviou, cada um para seu lado, vivendo à sua maneira.

A Humanidade que não queria nada com Deus ia vivendo. Muitos anos passaram e mais uma vez estes arquitetos surgem com um projeto, que já tinham planeado mesmo antes do mundo ser mundo (Efésios 1:3-14): era o Filho de Deus vir a este mundo, oferecer-Se para salvação de toda a Humanidade. O profeta Isaías começa a anunciar lá no capítulo 9, versículos 1 a 7, este advento e poder do Messias. O capítulo 11 do mesmo livro de Isaías, fala-nos que o reino do Messias é pacífico e próspero. Deus Pai falou com o Seu Filho Jesus e propôs-Lhe este projeto da salvação de todo o mundo. E logo mais Jesus não Se fez rogado e aceitou executar esta obra, a salvação de todo aquele que Nele crê, contando com a cooperação do Espírito Santo que nos convence da necessidade da salvação e nos transforma em novas pessoas, dando-nos a certeza que somos filhos de Deus. E assim, Deus escolheu uma virgem para dar à luz Seu único Filho, concebido pelo Espírito Santo, o qual nasceu como homem sendo Deus, viveu sem pecado e morreu para trazer salvação a todos os povos, nações, raças e tribos, vencendo a morte (João 3:16; Marcos 16:16).

Caros leitores, é hora de aceitarmos este Jesus como o último e definitivo projeto que o Pai, o Filho e o Espirito Santo, arquitetaram para salvação da humanidade. Somente precisa de entregar a sua vida ao único Deus e confessar as suas faltas. Só Ele, Jesus, pode salvar, porque Ele é o único intermediário entre o homem e Deus, o único que pode ligar-nos de novo a Deus (João 3: 15 a 21).

Entregue a sua vida a Deus e será uma nova criatura. Foi o que eu fiz em 1964 com apenas 13 anos de idade, hoje sou uma pessoa muito feliz com estes arquitetos, que desenharam a minha salvação e a da minha família. Estes arquitetos maravilhosos tudo fizeram para a minha salvação. Tudo gratuito: não precisa de pagar nada, nem sacrificar a sua vida em promessas ou caminhadas. O plano que Jesus Cristo executou é para si e para toda a humanidade.

Deus planeou, Jesus executou e temos o Espirito Santo e a Palavra do Senhor, a Bíblia Sagrada, que trabalham em conjunto para a nossa salvação. Tudo está feito. Basta tomar agora a sua decisão.

Acácio Machado Inácio
Caldas da Rainha

 

Artigo da revista: Novas de Alegria